A preciosidade da precisão

A confusão. Um ralo por onde vai a potência criativa.


Não sei se quero isso ou aquilo.

Como pode?

Se eu sou uma, como posso querer coisas diferentes?


Onde há impasse, há apego.

Onde há apego, há desconfiança.

Onde há desconfiança, há desconexão.


Desconexão de quem sou, do que a vida oferta e sussurra.

Desconexão do corpo e da intuição.

Apreço excessivo pela mente e seus caminhos egóicos.


Desapegar da megalomania e da pequenez para assumir seu real tamanho.

Seus desejos e potências.

Aquilo que você quer e não quer.

O tamanho da responsabilidade que deseja, precisa e pode assumir.

Assumir sua história e suas limitações.


Essa precisão é preciosa. Auto-honestidade, tomar a responsabilidade da vida pra si e aceitar quem você é e o que deseja no mundo hoje dá origem a uma série de consequências manifestas e vitais. O fio de clareza vai abrindo uma vereda de alinhamentos.


Assumir-se.

O poder de estar em realidade.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão