Aprendizados pós Transborda




Corpo moído, cabeça feita, coração em júbilo por toda a potência, profundidade, magia e liberação acontecida nos últimos dias no Transborda no Rio.

Esse é um trabalho que leva pras profundezas e demanda conexão, sabedoria, humildade e responsabilidade. Na semana anterior ao Transborda, tudo gira em torno dele. A cada manhã eu peço para ser banhada com sabedoria e inspiração. Preparo cada momento, escolho cada música, intuo cada meditação, diagramo cada material, leio, estudo, escrevo. Rezo, peço as benção de Deus, da Deusa e de todos os caminhos que me amparam. Peço proteção e entro em campo acompanhada pelos seres invisíveis e visíveis (@guilhermelito e @amandodidi , cês foram maravilhoses!) Nos primeiros momentos, me esvazio do que acho que deveria acontecer e me abro pro que quer que aconteça.

Me abro para ser canal. Cada fala e ação são antecedidas por uma respiração. É isso mesmo que precisa ser dito ou feito agora? Como servir da melhor maneira aos seres que estão aqui agora? . E aí quando a coisa toda está acontecendo, me colo na vida, transbordo potência, sou doação de amor em forma de palavra, carinho, guiança, limite, sustentação de campo. Largo mão do planejado se necessário e crio junto com os presentes o que precisa ser feito. É sobre a Vida. Sobre se colar nela. Sobre crescer sem perder a conexão com a espontaneidade. É sobre reconhecer que seu trabalho pode ser uma forma de devoção. Sair do ideal e se comprometer com o possível, assumir seus próprios desejos, reconhecer que os medos são também guardiões de algo. Sobre ter amor pelas perguntas. É magia em forma de ação. É reconhecer seu próprio tamanho. Nem maior, nem menor. Honro a coragem e agradeço a todxs que viveram esse Transborda. Pela entrega e tecedura de um campo poderoso, sutil e orientado para a ação consciente. Agradeço por cada insight, borda atravessada, inteireza acessada, lágrima, abraço, riso e partilha. Estou processando tudo que se moveu. Não foi pouca coisa. Agradeço por servir ao lado do marido, com amigos-irmãos ao lado, com a cozinha @molhodamesa nutrindo a todxs e @vixebeat por todo apoio com a comunicação.

Universo, como pode melhorar? 📷 @manu___campos

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c