Desapegar com elegância


Cheguei a Portugal semana passada. As cores do outono estão estonteantes. Amarelos, laranjas, vermelhos, rosas, marrons. A natureza é sábia e deixa para trás o que precisa ficar para trás de maneira belíssima.


Para vir a Portugal passar quase dois meses por aqui imersa no que esse tempo representa para mim, passei meses fechando processos no Brasil, para estar aqui inteira, com a energia recolhida nos planos desses próximos dois meses.


Finalizei meus ciclos de atendimentos individuais, encerrei um ciclo de parceria com a Perestroika, estive com família e amigos conversando sobre o temas importantes, cuidando dessas relações para que seguissem adubadas enquanto eu estou fora. Fiz pagamentos, lavei roupa, arrumei a casa, reguei plantas e as coloquei ao ar livre, limpei os cristais, entreguei objetos de amigos que estavam comigo.


Para abrir novos caminhos, me dediquei a fechar velhos.


Escolhi fazer isso da maneira mais elegante que pude, com planejamento, cuidado, diálogo.


Hoje, admirando as cores das folhas que caem, a natureza me contou que o desapego é necessário e pode ser feito de maneira elegante.


As folhas, quando caem, vão para o solo, protegendo-o do frio do inverno porvir. Com o solo protegido, as sementes que ali estão podem se preparar para brotarem saudáveis na primavera. O desapego é necessário para cuidar da prosperidade da vida.


O que hoje te tira mais energia do que te dá? Ao que você está agarrado, com medo de deixar para trás? O que está te impedindo de ir para a próxima fase da sua vida com mais inteireza?

Como você pode fazer essa poda de maneira elegante e bonita, cuidando do que precisa ser cuidado?


Deixe ir para deixar vir.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c