Desapegar com elegância


Cheguei a Portugal semana passada. As cores do outono estão estonteantes. Amarelos, laranjas, vermelhos, rosas, marrons. A natureza é sábia e deixa para trás o que precisa ficar para trás de maneira belíssima.


Para vir a Portugal passar quase dois meses por aqui imersa no que esse tempo representa para mim, passei meses fechando processos no Brasil, para estar aqui inteira, com a energia recolhida nos planos desses próximos dois meses.


Finalizei meus ciclos de atendimentos individuais, encerrei um ciclo de parceria com a Perestroika, estive com família e amigos conversando sobre o temas importantes, cuidando dessas relações para que seguissem adubadas enquanto eu estou fora. Fiz pagamentos, lavei roupa, arrumei a casa, reguei plantas e as coloquei ao ar livre, limpei os cristais, entreguei objetos de amigos que estavam comigo.


Para abrir novos caminhos, me dediquei a fechar velhos.


Escolhi fazer isso da maneira mais elegante que pude, com planejamento, cuidado, diálogo.


Hoje, admirando as cores das folhas que caem, a natureza me contou que o desapego é necessário e pode ser feito de maneira elegante.


As folhas, quando caem, vão para o solo, protegendo-o do frio do inverno porvir. Com o solo protegido, as sementes que ali estão podem se preparar para brotarem saudáveis na primavera. O desapego é necessário para cuidar da prosperidade da vida.


O que hoje te tira mais energia do que te dá? Ao que você está agarrado, com medo de deixar para trás? O que está te impedindo de ir para a próxima fase da sua vida com mais inteireza?

Como você pode fazer essa poda de maneira elegante e bonita, cuidando do que precisa ser cuidado?


Deixe ir para deixar vir.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão