Não acredito em promessas

Dia desses, lendo um texto meu, ele falou: acho que o que você escreve não cabe muito em e-mail nem em instagram. Por quê?, perguntei. É um outro ritmo, mais pra poesia, mais pra pegar um café, sentar na poltrona e ficar um tempo, ele disse.


Entendi durante o almoço que ele não se referia (só) ao tamanho do texto, mas ao palavrear, ao convite às reflexões que as frases fazem.


Isso ficou abrindo outros espaços de criação ainda não explorados e cutucando - mais uma vez - a rendição coletiva ao raso.


A lógica industrial. Nas fábricas, escolas, prisões (tão parecidas uma com a outra!), conteúdos, trabalhos. Tudo homogeneizado, pasteurizado, deglutido. Pra não dar trabalho nem fazer pensar. Continua assim, rebanho, pra ser consumido logo ali na frente. Mas finge que não vê. Vou te ocupar, pra você nem precisar fingir. Toma aqui mais um desejo de consumo, mais um curso, mais uns passos pro sucesso. Segue nesse caminho aqui que vai dar certo! 6 em 7, eu te prometo. Qualquer um pode! Meritocracia é verdade absoluta. É só querer muito e seguir a fórmula, não se preocupa com o conteúdo. Vai no raso, é garantido! Não tem tempo pra aprofundar. Só vai, não reflete, não critica, não rema proutro lado. Esquece outro lado.


Eu não!

É que me afogo no raso e respiro profundo.


Quero vidas como bons textos, chás e vinhos: com variados gostos, cada um chegando num momento e num lugar nas papilas. Com nuances, aromas, sensações, profundidades.


Quero a beleza de uma vida artesanal, com cachecol tricotado no calor do sol, texto maturado ao luar. Trabalhos tecidos por mãos suaves e calejadas, lágrimas e gargalhadas em caras lavadas.


Quero certezas disponíveis a dissolução, trajetórias alteradas por chamados inexplicáveis, amores sólidos e verdadeiros.


Quero ver autoria nos serviços, gente de verdade atuando em seu melhor. O seu próprio, não na jornada prometida.


Não acredito na promessas.


Acredito em sonhos gerados em úteros e corações, esses espaços de mistério onde o desejo é difícil de explicar e fácil de compreender. Acredito em tecer diário, em palavras encarnadas, em humano que dá passos firmes de fazer reflexivo.

Posts recentes

Ver tudo

A preciosidade da precisão

A confusão. Um ralo por onde vai a potência criativa. Não sei se quero isso ou aquilo. Como pode? Se eu sou uma, como posso querer coisas diferentes? Onde há impasse, há apego. Onde há apego, há desco

  • Facebook - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle