Não há nada que você tenha que fazer

Tem a sensação de estar atrasada, como se houvesse algo que você deveria estar fazendo que não é o que você está fazendo? Sente pressa pra mover aquele novo projeto? Se sente sempre em busca de algo?


E se eu te dissesse que não há nada que você tenha que fazer?


Isso não significa que você não vá fazer nada. Pelo contrário.


É da sua natureza criar. E, em estado de conexão, você saberá a hora de agir e a hora de pausar.


Mas, então, o que fazer enquanto não estou fazendo?


Manter a conexão, que é algo dado, pois nascemos dela. Desinvestir na desconexão. Não acreditar na lógica da separação, que nos diz sermos seres separados uns dos outros e da natureza.


A prática diária é permanecer na sensação de interser com o todo.


Ficar consigo, na observação, na receptividade ativa que confia que, em conexão, você-natureza saberá a hora de agir.


O abacateiro sabe a hora de dar abacate. O sabiá sabe a hora de voar. O urso sabe quando sair da hibernação. Estão em conexão com o entorno, não distraídos.


Conosco, pode ser igual.


Para permanecer em conexão com sua própria natureza, comungue com a Grande Natureza. Contemple as nuvens, o som dos passarinhos, o pé de manjericão, sua própria respiração, as pintas em sua pele, sua iris. Sem julgar nem classificar, só observar. Sim, é difícil pra mim também, mas como toda prática, quando praticada, vai ficando mais orgânica.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c