PANDEMIAS — LIÇÕES OLHANDO DE 2050 PARA TRÁS, por Fritjof Capra e Hazel Henderson

Atualizado: Abr 14

Esse artigo foi traduzido por Carolina Bergier e revisado por Guilherme Lito com autorização da Capra Foundation. Ele foi publicado originalmente no site da organização da Hazel Henderson, Ethical Markets, aqui.

— — — —

Fritjof Capra e Hazel Henderson © 2020

Imagine, é o ano de 2050 e estamos olhando para a origem e evolução da pandemia de coronavírus nas últimas três décadas. Extrapolando a partir de eventos recentes, oferecemos o seguinte cenário para essa visão do futuro.

À medida que avançamos para a segunda metade do século XXI, podemos finalmente entender, a partir de uma perspectiva sistêmica evolutiva, a origem e o impacto do coronavírus que atingiu o mundo em 2020. Hoje, em 2050, olhando para os últimos 40 turbulentos anos em nosso planeta natal, parece óbvio que a Terra se encarregou de ensinar algumas lições à família humana. Nosso planeta nos ensinou a primazia da compreensão de nossa situação em termos de sistemas, compreensão identificada por alguns pensadores perspicazes desde meados do século XIX. Esta conscientização humana alargada revelou como o planeta realmente funciona, sua biosfera viva sistematicamente alimentada pelo fluxo diário de fótons da nossa estrela mãe, o Sol.

Eventualmente, essa consciência expandida superou as limitações cognitivas, suposições incorretas e ideologias que criaram as crises do século XX. As falsas teorias do desenvolvimento e progresso humano, medidas de forma míope por preços e métricas baseadas em dinheiro, como o PIB, culminaram em crescentes perdas sociais e ambientais: poluição do ar, da água e da terra; destruição da biodiversidade; perda de serviços ecossistemicos, todos exacerbados pelo aquecimento global, elevação do nível do mar, e perturbações massivas do clima.

Essas políticas míopes também levaram a colapsos sociais, desigualdade, pobreza, doenças mentais e físicas, addicção, perda de confiança nas instituições — incluindo mídia, academia e a própria ciência — bem como a perda de solidariedade comunitária. Eles também levaram às pandemias do século XXI, SARS, MERS, AIDS, gripe influenza e os vários coronavírus que surgiram em 2020.

Durante as últimas décadas do século XX, a humanidade excedeu a capacidade de carga da Terra. A família humana cresceu para 7,6 bilhões em 2020 e continuou sua obsessão pelo crescimento econômico, corporativo e tecnológico, o que causou as crescentes crises existenciais que ameaçavam a própria sobrevivência da humanidade. Ao conduzir esse crescimento excessivo com combustíveis fósseis, os seres humanos aqueceram a atmosfera a tal ponto que o consórcio de ciência climática das Nações Unidas (ONU), o IPCC observou em sua atualização de 2020 que a humanidade tinha apenas dez anos para mudar essa situação de crise.

Já em 2000, todos os meios já estavam disponíveis: tínhamos o know-how e projetamos tecnologias renováveis ​​eficientes e sistemas econômicos circulares, com base nos princípios ecológicos da natureza. Em 2000, as sociedades patriarcais estavam perdendo o controle sobre a população feminina, devido a forças da urbanização e da educação. As próprias mulheres começaram a assumir o controle de seus corpos e as taxas de fertilidade começaram a cair mesmo antes da virada do século XXI. Revoltas generalizadas contra o estreito modelo econômico da globalização, feito de cima para baixo, e suas elites dominadas por homens levaram a interrupções dos caminhos insustentáveis ​​de desenvolvimento impulsionados por combustíveis fósseis, energia nuclear, militarismo, lucro, ganância e liderança egocêntrica.

Os orçamentos militares que haviam desidratado o investimento necessário em saúde e educação para o desenvolvimento humano foram passando gradualmente de tanques e navios de guerra para uma guerra de informações menos cara e menos violenta. No início do século XXI, a competição internacional pelo poder se concentrou mais em propaganda social, tecnologias de persuasão, infiltração e controle da Internet global.

Em 2020, as prioridades da pandemia de coronavírus em instalações médicas competiam com as vítimas em salas de emergência, fossem elas feridas por violência armada ou pacientes com outras condições de risco de vida. Em 2019, o movimento nacional de crianças em idade escolar nos Estados Unidos se uniu aos médicos, trazendo o tema da violência armada como uma crise de saúde pública. Leis rigorosas sobre armas seguiram-se gradualmente, juntamente com a rejeição por parte de fundos de pensão de ter fabricantes de armas como ativos, que prejudicaram o lobby das armas e, em muitos países, as armas foram compradas dos seus proprietários pelos governos e destruídas, como a Austrália havia feito no século XX. Isso reduziu bastante as vendas globais de armas, juntamente com as leis internacionais que exigiam licenças e seguros anuais caros, enquanto a tributação global reduziu as corridas desnecessárias de armas dos séculos anteriores. Os conflitos entre nações são agora amplamente governados por tratados internacionais e transparência. Agora, em 2050, os conflitos raramente envolvem meios militares, mudando para propaganda na Internet, espionagem e guerra cibernética. Em 2020, essas revoltas revelaram todas as falhas nas sociedades humanas: de racismo e ignorância, teorias da conspiração, xenofobia e visão “do outro” como bode expiatório, a vários preconceitos cognitivos — determinismo tecnológico, cegueira induzida pela teoria e o mal-entendido fatal e generalizado de que dinheiro é a mesma coisa que riqueza real. O dinheiro, como todos sabemos hoje, foi uma útil invenção: todas as moedas são simplesmente protocolos sociais (tokens de confiança físicos ou virtuais), operando em plataformas sociais com efeitos de rede, com preços flutuando na medida em que seus vários usuários confiam e o utilizam. No entanto, países e elites de todo o mundo ficaram encantados com o dinheiro e as apostas no “cassino financeiro global”, incentivando ainda mais os sete pecados capitais sobre os valores tradicionais de cooperação, compartilhamento, ajuda mútua e a Regra de Ouro de tratar os outros como você gostaria de ser tratado. Por décadas, cientistas e ativistas ambientais alertaram sobre as terríveis conseqüências dessas sociedades insustentáveis ​​e sistemas de valores retrógrados, mas até a pandemia de 2020, líderes corporativos e políticos e outras elites teimosamente resistiram a essas advertências. Antes incapazes de quebrar sua intoxicação com lucros financeiros e poder político, seus próprios cidadãos colocaram o foco novamente no bem-estar e sobrevivência da humanidade e da comunidade da vida. As indústrias fósseis existentes lutaram para manter seus incentivos fiscais e subsídios em todos os países, com o colapso dos preços do gás e do petróleo. Mas eles eram menos capazes de comprar favores políticos e apoiar seus privilégios. Foram necessárias as reações globais de milhões de jovens, “globalistas de base” e povos indígenas, que entenderam os processos sistêmicos de nosso planeta Gaia — uma biosfera auto-organizada e auto-reguladora que por bilhões de anos administrou toda a evolução planetária sem interferência de seres humanos com problemas cognitivos. Nos primeiros anos do século XXI, Gaia respondeu de maneira inesperada, como havia acontecido tantas vezes durante a longa história da evolução. As grandes áreas de florestas tropicais derrubadas pelos humanos e invasões maciças em outros ecossistemas ao redor do mundo haviam fragmentado esses ecossistemas auto-reguladores e fraturado a rede da vida. Uma das muitas conseqüências dessas ações destrutivas foi que alguns vírus, que viviam em simbiose com certas espécies animais, saltaram dessas espécies para outras e para os humanos, onde eram altamente tóxicos ou mortais. Pessoas em muitos países e regiões, marginalizadas pela estreita globalização econômica orientada para o lucro, diminuíram sua fome buscando “carne de mato” nessas áreas selvagens recém-expostas, matando macacos, civetas, pangolins, roedores e morcegos, como fontes adicionais de proteína. Essas espécies selvagens, portadoras de uma variedade de vírus, também foram vendidas ao vivo em “mercados úmidos”, expondo ainda mais populações urbanas a esses novos vírus.

Na década de 1960, por exemplo, um vírus obscuro saltou de uma espécie rara de macacos mortos como “carne de mato” comida por humanos na África Ocidental. A partir daí, espalhou-se pelos Estados Unidos, onde foi identificado como o vírus HIV e causou a epidemia de AIDS. Ao longo de quatro décadas, eles causaram a morte de cerca de 39 milhões de pessoas em todo o mundo, cerca de meio por cento da população mundial. Quatro décadas depois, o impacto do coronavírus foi rápido e dramático. Em 2020, o vírus saltou de uma espécie de morcego para o homem na China e, a partir daí, espalhou-se rapidamente pelo mundo, dizimando a população mundial em cerca de 50 milhões em apenas uma década.

Aqui, de 2050, podemos analisar a sequência desses vírus: SARS, MERS e o impacto global das várias mutações de coronavírus que começaram em 2020. Eventualmente, essas pandemias foram estabilizadas, em parte pelas proibições definitivas de “mercados úmidos” em toda a China em 2020. Essas proibições se espalharam para outros países e mercados globais, cortando o comércio de animais silvestres e reduzindo esses vetores, além de se espalharem também melhores sistemas de saúde pública, cuidados preventivos e desenvolvimento de vacinas e medicamentos eficazes.

As lições básicas para os seres humanos em nossos trágicos 50 anos de crises globais auto infligidas — as aflições de pandemias, cidades inundadas, florestas queimadas, secas e outros desastres climáticos cada vez mais violentos — eram simples, muitas baseadas nas descobertas de Charles Darwin e outros biólogos nos séculos XIX e XX:

  • Nós, seres humanos, somos uma espécie com muito pouca variação em nosso DNA básico.

  • Evoluímos com outras espécies na biosfera do planeta por seleção natural, respondendo a mudanças e tensões em nossos vários habitats e ambientes.

  • Somos uma espécie global, tendo migrado do continente africano para todos os outros continentes, competindo com outras espécies, causando várias extinções.

  • Nossa colonização e sucesso planetários, nesta Era Antropocena de nosso século XXI, foram em grande parte devido à nossa capacidade de se relacionar, cooperar, compartilhar e evoluir em populações cada vez maiores.

  • A humanidade cresceu de bandos nômades itinerantes para viver em aldeias agrícolas estabelecidas, cidades e megalopolis do século XX, onde viviam mais de 50% de nossas populações. Até as crises climáticas e das pandemias nos primeiros anos do século XXI, todas as previsões previam que essas mega-cidades continuariam crescendo e que as populações humanas chegariam a 10 bilhões até hoje, em 2050.

Agora sabemos por que as populações humanas chegaram no seu máximo de pessoas aos 7,6 bilhões em 2030, como esperado no cenário mais esperançoso do IPCC, bem como nas pesquisas urbanas globais realizadas por cientistas sociais que documentam o declínio da fertilidade no Planeta Vazio (2019). Os recém-conscientes “globalistas de base”, os exércitos de crianças em idade escolar, ambientalistas globais e mulheres empoderadas se uniram a investidores e empreendedores mais éticos em um esforço de localizar os mercados.


Milhões foram atendidos por cooperativas de microgrid, alimentadas por energia renovável, aumentando as organizações cooperativas no mundo, que até 2012 empregavam mais pessoas em todo o mundo do que todas as empresas com fins lucrativos juntas. Eles não usavam mais as falsas métricas monetárias do PIB, mas em 2015 passaram a orientar suas sociedades pelos ODS da ONU e seus 17 objetivos de sustentabilidade e restauração de todos os ecossistemas e saúde humana.

Esses novos objetivos e métricas sociais todos focavam na cooperação, compartilhamento e formas mais ricas de conhecimento do desenvolvimento humano, usando recursos renováveis ​​e maximizando a eficiência. Essa sustentabilidade a longo prazo, distribuída equitativamente, beneficia todos os membros da família humana e são toleradas pelas muitas espécies em nossa viva biosfera. A competição e a criatividade florescem com boas ideias, expulsando as menos úteis. Florescem também padrões éticos baseados na ciência que melhoram as informações sobre sociedades autônomas e mais conectadas em todos os níveis, do local ao global.

Quando o coronavírus ocorreu em 2020, as respostas humanas foram a princípio caóticas e insuficientes, mas logo se tornaram cada vez mais coerentes e até dramaticamente diferentes. O comércio global diminuiu e passou a transportar apenas mercadorias raras, se transformando em troca de informações. Em vez de exportar bolos e biscoitos ao redor do planeta, enviamos as receitas para a criação de alimentos e bebidas à base de plantas; e instalamos localmente tecnologias sustentáveis: solar, eólica, fontes de energia geotérmica, iluminação LED, veículos elétricos, barcos e até aeronaves.

As reservas de combustível fóssil permaneceram seguras no solo, pois o carbono passou a ser um recurso precioso demais para queimar. O excesso de CO2 na atmosfera resultante da queima de combustíveis fósseis foi capturado por bactérias do solo, plantas de raízes profundas, bilhões de árvores recém-plantadas e pelo reequilíbrio generalizado dos sistemas alimentares humanos que antes tinham base no agronegócio industrial agroquímico, publicidade e comércio global de algumas monoculturas. A dependência excessiva de combustíveis fósseis, pesticidas, fertilizantes, antibióticos na criação de animais para dietas carnívoras, eram dependentes da cada vez mais escassa água doce do planeta, e se mostrou insustentável. Hoje, em 2050, os alimentos consumidos globalmente são produzidos localmente, incluindo muitas culturas indígenas e silvestres negligenciadas, agricultura com água salgada e todas as outras plantas alimentícias amantes de sal (halófitas) cujas proteínas completas são mais saudáveis ​​para as dietas humanas.

O turismo de massa e as viagens em geral diminuíram radicalmente, juntamente com o tráfego aéreo e o uso progressivo de combustíveis fósseis. Comunidades em todo o mundo se estabilizaram em centros populacionais de pequeno a médio porte, que se tornaram amplamente autossuficientes com a produção local e regional de alimentos e energia. O uso de combustíveis fósseis praticamente desapareceu, já que em 2020 ele não podia mais competir com o desenvolvimento rápido de recursos de energia renovável, as novas tecnologias correspondentes e a recuperação de todos os recursos anteriormente desperdiçados que foram reintroduzidos em nossas economias circulares de hoje.

Por causa do perigo de infecções em aglomerações, espaços de trabalho superpopulosos e análogos ao escravo, grandes lojas, eventos esportivos e de entretenimento em grandes arenas desapareceram gradualmente. A política democrática se tornou mais racional, já que os políticos demagogos não podiam mais reunir milhares de pessoas em grandes comícios para ouvi-los. Suas promessas vazias também foram contidas nas mídias sociais, pois esses monopólios com fins lucrativos foram rompidos em 2025 e agora em 2050 são regulamentados como serviços de utilidade pública que atendem ao bem público em todos os países.

Os mercados financeiros dos cassinos globais entraram em colapso e as atividades econômicas mudaram. A manufatura de bens e nossas economias baseadas em serviços reviveram práticas tradicionais como permuta, voluntariado informal e moedas locais, bem como inúmeras transações não monetárias que se desenvolveram durante o auge das pandemias. Como conseqüência da descentralização generalizada e do crescimento de comunidades autoconfiantes, as economias de 2050 tornaram-se regenerativas e não extrativas, e as lacunas de pobreza e desigualdade dos modelos exploradores e obcecados por dinheiro desapareceram amplamente. A pandemia de 2020, que quebrou os mercados globais, finalmente derrubou as ideologias do dinheiro e do fundamentalismo do mercado. As ferramentas dos bancos centrais não funcionavam mais; portanto, “jogar dinheiro do helicóptero” para o povo e fazer pagamentos diretos em dinheiro a famílias carentes, como aconteceu pioneiramente no Brasil, tornaram-se o único meio de manter o poder de compra para facilitar as transições econômicas ordenadas para sociedades sustentáveis. Isso levou os políticos americanos e europeus a criarem dinheiro novo, e essas políticas de estímulo substituíram a “austeridade” e foram rapidamente investidas em toda a infraestrutura de recursos renováveis ​​em seus respectivos planos do chamado “Green New Deal”.

Quando o coronavírus se espalhou para animais domésticos, gado e outros ruminantes, ovinos e caprinos, alguns desses animais se tornaram portadores da doença sem apresentar sintomas. Consequentemente, o abate e o consumo de animais caíram drasticamente em todo o mundo. O pasto e a criação de animais haviam aumentado em quase 15% a emissão de gases de efeito estufa globais. As grandes corporações multinacionais produtoras de carne foram atacadas por investidores experientes como o próximo grupo de “ativos ociosos”, junto com empresas de combustíveis fósseis. Alguns mudaram para uma dieta baseada em plantas com seus análogos para carne, peixe e queijos. A carne bovina tornou-se muito cara e rara, e as vacas eram geralmente de propriedade de famílias, como tradicionalmente sempre foram, em pequenas fazendas de leite, queijo e carne locais, além de ovos de suas galinhas.

Depois das pandemias terminarem, vacinas foram desenvolvidas — e eram caras. As viagens globais passaram a ser permitidas apenas com certificados de vacinação, usados ​​principalmente por comerciantes e pessoas ricas. Atualmente, a maioria das populações do mundo prefere os prazeres das reuniões e comunicações on-line, além de viajar localmente por transporte público, carros elétricos e pelos veleiros solares e eólicos que todos desfrutamos hoje. Como conseqüência, a poluição do ar diminuiu drasticamente em todas as grandes cidades do mundo.

Com o crescimento de comunidades autossuficientes, as chamadas “vilas urbanas” surgiram em muitas cidades — bairros redesenhados com estruturas de alta densidade combinadas com amplos espaços verdes comuns. Essas áreas apresentam uma significativa economia de energia e um ambiente saudável, seguro e orientado para a comunidade, com níveis drasticamente reduzidos de poluição. As eco-cidades de hoje incluem alimentos cultivados em prédios altos com telhados solares, hortas e transporte público elétrico, isso tudo depois que os automóveis foram proibidos em grande parte das ruas urbanas em 2030. Essas ruas foram tomadas por pedestres, ciclistas e pessoas em scooters que navegam em lojas locais menores, galerias de artesanato e mercados de produtores. Veículos elétricos solares para uso interestaduais geralmente carregam e descarregam suas baterias à noite para equilibrar a eletricidade em residências unifamiliares. As unidades de recarga para veículos solares estão disponíveis em todas as áreas, reduzindo o uso de eletricidade fóssil de serviços centralizados obsoletos, muitos dos quais foram à falência até 2030.

Após todas essas mudanças drásticas que desfrutamos hoje, percebemos que nossas vidas agora são menos estressantes, saudáveis ​​e mais satisfatórias, e nossas comunidades planejam o futuro a longo prazo. Para garantir a sustentabilidade de nossos novos modos de vida, percebemos que a restauração de ecossistemas em todo o mundo é crucial, para que os vírus perigosos para os seres humanos sejam confinados novamente a outras espécies animais onde não causam danos. Para restaurar os ecossistemas em todo o mundo, nossa mudança global para a agricultura orgânica e regenerativa floresceu, juntamente com alimentos a base de plantas, bebidas e todos os alimentos cultivados em água salgada e pratos de algas que desfrutamos. Os bilhões de árvores que plantamos no mundo após 2020, juntamente com as melhorias agrícolas, gradualmente restauraram os ecossistemas.

Como conseqüência de todas essas mudanças, o clima global finalmente se estabilizou, com as atuais concentrações de CO2 na atmosfera retornando ao nível seguro de 350 partes por milhão. O nível do mar permanecerá mais alto por um século e agora muitas cidades florescem em terrenos mais seguros e elevados. As catástrofes climáticas agora são raras, enquanto muitos eventos climáticos continuam a atrapalhar nossas vidas, assim como ocorreram nos séculos anteriores. As múltiplas crises e pandemias globais, devido à nossa ignorância anterior dos processos planetários e dos ciclos de feedback, tiveram conseqüências trágicas generalizadas para indivíduos e comunidades. No entanto, nós humanos aprendemos muitas lições dolorosas. Hoje, olhando para trás a partir de 2050, percebemos que a Terra é a nossa professora mais sábia, e suas terríveis lições podem ter salvo a humanidade e grande parte de nossa comunidade planetária da extinção.

  • Facebook - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle