Parto é oracular

Parto é oracular.


Pra dar a luz, a alma fica nua. Há mesmo de se ter coragem pra se despir até da própria pele, ficar em carne viva, disponível pra se recompor por completo, do útero para as extremidades.


Tudo o que surge no parto é reflexo.

Não é possível esconder, reter ou afastar. Todo estado de si é revelado.

Sentimentos

Energias

Pessoas

Memórias

Medos

Forças


Uma espécie de limpeza para o que há de vir. Ir de encontro radical com quem se está, olhar a própria carne em microscópio.


Abrir fendas derradeiras, se quebrar pra dar espaço para um outro ocupar sua vida.


Não pelo racional, não pela elaboração. A elaboração, se vier (me parece bom que venha), é depois.


O espaço é pro simples e profundo sentir. Permitir-se atravessar emoções e sensações enrijecidas por uma vida e, com isso, desdensificá-las, fluidificá-las, dar passagem. Parto é passagem.


Dar passagem à solidão.

Ao medo do desconhecido.

Ao medo de rachar.

À recusa em morrer.

À recusa em viver.

Ao desfrute.

Ao instinto.

À força animalesca.

Ao amor.

Ao divino.


A dor? Um aspecto entre muitos. Muitos, muitos.


Tem sua vida toda ali. Suas facetas, seus aspectos, você inteira, sem fugir.


Tudo que acontece ao parir revela algo de si. Toda figura que surge (dentro e fora) espelha algo de si.


Parir é oracular.


Desejo que possamos viver parindo, que a vida, assim como o parto, é também ela oracular.


.

Escritos de madrugadas de leite.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão