Trabalho como forma de devoção

Começo todo trabalho rezando, pra me lembrar que essa é uma forma de devoção.

Preparo a sala como quem prepara um espaço de cerimônias, porque assim é. Seja a sala de casa, com gente ao redor do mundo, seja a sala coletiva com gente em círculo.

Chego pedindo licença, escutando e agradecendo quem/o quê estava acontecendo antes de nós.

Busco ser impecável em meus passos (o que é diferente de perfeccionismo).

Me pergunto: o que a Vida pede de mim? O que a Terra quer?

Reconheço que a ação na matéria move coisas imateriais.

Me mantenho atenta e receptiva ao invisível.

Oferendo meus talentos, dons, escolhas e privilégios para a evolução planetária.

Desinvisto na falácia do individualismo e reconhecer que "eu não ando só".

Convoco as companhias visíveis e invisíveis.

Confio no tempo, "compositor de destino, tambor de todos os ritmos".

Aprecio as diferentes cadências e escuto a Natureza orquestrando a Vida.

Quando bate o cansaço, descanso, sem estagnar.

Não é (só) por mim que vou.

Não é sobre mim.

"Todo amor é sagrado e o fruto do trabalho é mais que sagrado"

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão