Trabalhos invisíveis

Os dias passam. Livro, seriado, calor. Já não trabalho (enquanto geração de renda) há semanas. Pudemos nos organizar pra fazer assim e agradeço todos os dias pelo privilégio, escolha e planejamento. Cozinho pouco, lavar a louça ficou no passado pré barriga encostando na pia. O corpo pesa, minutos em pé cobram seu preço no fim do dia. Encontrar posição pra deitar é uma saga.


Estar hipopótama não é nada delicado, mas é de uma delicadeza infinita.


Percebo que já não me culpo por "não ter feito nada".

Faço, na pausa, o invisível e inexplicável: minha filha.


Estou fazendo o futuro da humanidade, bem quando precisamos de humanos melhores. Estou doando tudo de mim, - minhas taxas de ferro que o digam! - pra que esse futuro chegue com confiança, alegria, respeito, amor e possa construir uma realidade mais bonita.


O quão diferente isso é do trabalho invisível feito por tantas diariamente? Cozinhar, lavar, passar, varrer. O trabalho de casa, o trabalho de cuidar. Ainda feito majoritariamente por mulheres.


O trabalho invisível do autoconhecimento, de olhar pra si e ir além dos mecanismos destrutivos. Trabalho também ainda feito majoritariamente por mulheres. Energia feminina, do cuidado, dos mistérios, do tempo cíclico.


Por muito tempo, o tempo e energia dedicados ao cuidado e autoconhecimento foram, pra mim, inferiores aos colocados em produzir e gerar renda. Uma lógica do fazer pra fora, fálica, que se relaciona com a energia masculina de produtividade e tempo linear.


Carrego em meu útero uma pessoa com útero. Sinto alegria - e responsabilidade - de transmitir à minha filha desde já a sacralidade do trabalho ainda invisível, fora da economia de mercado, fora do que podemos metrificar. E isso me parece profundamente feminista.


Escolhi essa foto (dentre as muitas feitas pela amiga e artista @helenapcooper ) porque tem algo de ancestral nela. Todas as mulheres de minha ancestralidade - e da sua também - viveram esse fazer invisível. Honro cada ventre-lar, em especial de minhas avós, mãe e irmãs. Não fazia ideia do tanto que viveram!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c