Você está grávidx de uma ideia e nem sabe!

Formatos, tarefas, nomes, datas e conceitos são o transbordar de um processo que começa antes da manifestação de algo. A ideia vem chegando de mansinho, num som que só os ouvidos mais atentos percebem. Sopra caminhos, fornece sensações, envia intuições, caminha em acasos. A ideia toma o corpo que transborda por uma via disponível e inunda a matéria de ação.


Silenciar é porta de entrada. O diálogo entre as tantas vozes da mente não dá conta de perceber. Há uma revolução ainda silenciosa em curso dentro. Precisamos percebê-la antes que vire caos manifesto em episódios da vida que vêm pra nos fazer ouvir.

Notar o som daquilo que quer nascer, confiar no porquê aquilo se apresentou pra mim, me fazer canal e guardiã. Escutar atentamente, fazer frente e dar passagem.


Colocar minha mente, dons e talentos a serviço, sustentar a conexão com o ponto interno que sabe. Avançar abrindo as asas pra ideia voar junto. Lá, reconhecer os outros tantos que carregam suas ideias nas asas.


O silêncio.


Forma de estar atento, mas também de se retirar da vida, de não se doar nem ofertar o que temos de melhor para o mundo: nossa voz, sabedoria, o que vivemos e aprendemos.


De quanto silêncio se forma uma vida sem vida?


O quanto não nos doamos no silêncio e esperamos que tudo esteja dito para a vida, que há de saber o que queremos e nos apresentar o caminho perfeito?


Presos no medo, na insegurança e na preguiça, silenciamos.


Pra fugir do conflito, esquecendo de que demanda uma boa dose de coragem para empreender algo no mundo. Não o conflito bélico, mas aquele que nos convida a erguer o peito e estender as asas.


Que silenciemos a partir da boa motivação. E que comuniquemos para vida quem somos, que tenhamos coragem de empreender o bom conflito. Que o silêncio venha para revelar toda beleza que já se faz dentro. Que ampliemos o olhar para sermos tomados pela visão daquilo que quer nascer.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c