Aprender a (me)amar




Cara lavada, corpo nu, sorriso e lágrimas. Eu com tudo que tenho de mais puro: a alegria transbordando pelo olhar, por reconhecer que tenho feito um bom trabalho nessa vida.

Hoje é meu aniversário e ontem me celebrei sozinha no sítio onde moro.

Celebrei, acima de tudo, o reconhecimento de que estou aprendendo a me amar. Já fui tão dura comigo mesma... já me cobrei tanto ser melhor e maior do que sou, que isso me desconectava de reconhecer meu real tamanho: grande em alguns aspectos, pequeno em outros.

E, sabe, meu real tamanho é lindo! É perfeito para mim e reflete meus caminhos até aqui.

Estou amando quem sou, a cada dia mais. Tem dias que ainda me cobro ser diferente, mais leve, fluida, brincalhona e feminina. E aí, em outros, me lembro que minha beleza está também na minha firmeza, assertividade, força e foco. E aí amplio minha capacidade de me amar, o que tem como consequência ampliar também a leveza, fluidez, brincadeira e feminilidade.

É mesmo uma jornada de iluminar a sombra com a própria luz!

Sou grata por todxs que me ensinam a me amar!

E desejo, nesse dia de portais abertos, que eu aprenda mais e mais sobre o amor e que esses aprendizados venham com delicadeza (que passei de fase e não quero mais aprender na base da porrada).


✨Universo, como pode melhorar?

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão