O que pede pra nascer



Pressa e pressão pra saber. 


Me descolei da potência do vazio, me afastei do paradoxo.


Na ansiedade de quem se sente afogada em não-formas, me apressei pra encontrar uma margem segura, me agarrei na pseudo-segurança que mora nas respostas. 


Colei na primeira margem disponível, vi passar de longe o fluxo do rio. 


Margem disponível e inapropriada para o que pedia pra nascer. 


Afoguei a emergência em margens inférteis.


A mente queria se agarrar rápido em algo conhecido. O corpo me balbuciava ter segurança suficiente pra seguir na água. Sou água. 


É necessário coragem e sensibilidade para reconhecer movimento sutil na pergunta, sem correr estabanada pra resposta.


Ter sabedoria de colher, de deixar emergir o que me cabe agora, para além do desejo de garantia, da identificação fixada com o que fiz e fui, dos padrões automatizados e dos fazeres que infertilizam as sementes do não-fazer.


Ampliar repertório de respostas possíveis. De eus possíveis.


Foi naquela noite de lua laranja despontando no que já foi pasto que saí da confusão e assumi o risco do não saber. Foi libertador.


Dei um passo e o mundo todo saiu do lugar. Foi saboroso.


Me reorganizo em caos confiante, em ordem permeável, escutando os gritos e grilos do que vem a ser. Experimento observar e absorver o caminho das palavras depois que saem da boca. 


Envolta por canto de cigarra, li o livro da natureza. 


Com o que aprendi, deixo a vida se apresentar e me movo em direção ao chamado que ela faz, coletando o que já é, em eterno se fazer.


(texto escrito em jorrar de movimentos emergentes durante a Experiência Schumacher Brasil 2019)

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em