Para criar o novo

Pra fazer uma transição contundente e sustentável ao longo do tempo, há de mudar também a estrutura de pensamento.


Descolonizar o olhar. Sair da lógica linear com foco no objetivo e se abrir para uma percepção relacional e processual.


Se não, é só uma repetição mascarada de "novo". Um novo que repete os mesmos padrões de necessidade de garantia não é novo.


Novo é estruturar-se dentro, sem querer controlar o fora.


Novo é confiar no processo de autotransformação e permitir-se morrer para renascer do centro para as extremidades.


Novo é soltar o desejo por pseudo-segurança e dar chance para construir bases sólidas no imaterial: saber quem se é, nutrir relacionamentos nutritivos, conectar com o invisível e receber dele instruções.


Novo é ter sensatez de assumir o não saber, dar as boas vindas ao vazio e ter percepção sutil para sentir os primeiros cheiros do que chega.


Novo é confiar no que não se explica mas se entende.


Novo é deixar dissolver o que não mais serve à Vida.


Novo é correr o risco da liberdade.


Novo é saber que ser livre enquanto outros estão presos não é liberdade.


Novo é reconhecer a interdependência e a não separação entre todos os seres.


Tem tanto mais que é novo que ainda não conheço. Novo é tudo aquilo que ainda não sei e que já ressoa.

Posts recentes

Ver tudo

A preciosidade da precisão

A confusão. Um ralo por onde vai a potência criativa. Não sei se quero isso ou aquilo. Como pode? Se eu sou uma, como posso querer coisas diferentes? Onde há impasse, há apego. Onde há apego, há desco

  • Facebook - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle