Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo.


Quando, junto com sangue e memórias, saiu ser humano, o mistério se escancarou.


Escrevo pra reviver e corporificar aqueles agoras dos dias 8, 9, 10 e 11 de março, quando minha fenda me deu o presente intenso e imenso de sair do invisível e vir dançar aqui fora.


A caverna mágica se abriu e revelou seus tesouros viscerais.


Uma viagem psicodélica, um coquetel divino de ocitocina, endorfina, prostaglandina e melatonina (recomendo a onda!!!). O ápice? Minha bebê nos braços.


O que vivi nessa grande onda parece fora do real. Ampliou-se um tanto em mim, alonguei-me a novos e indescritíveis lugares, conheci espaços não navegados, beijei a Morte na boca, me recarreguei no colo de Deus, olhei fundo nos olhos-espelhos da Deusa.


Quem sou depois disso?


Como elaborar esse estirão da realidade enquanto sou mesa, cama, banho e coração de um outro ser? Tudo mudou tão drasticamente.


Tô aprendendo a gostar das madrugadas.

Enquanto nutro, imagino as milhões de nutrizes ofertando peito e sono ao redor do mundo e, no escuro de silêncio e solidão, vou elocubrando, me refazendo, tateando as fendas de uma nova eu.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Peito jorra amor líquido

Ela vem acoplada de um peito. Atrás desse peito tem eu-nutriz. Agradecida por termos sofá, poltrona, cadeira, cama, sol, sombra. Variar lugares faz do dia mais vivo. Tudo se repete. Qual peito tá chei