Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo.


Quando, junto com sangue e memórias, saiu ser humano, o mistério se escancarou.


Escrevo pra reviver e corporificar aqueles agoras dos dias 8, 9, 10 e 11 de março, quando minha fenda me deu o presente intenso e imenso de sair do invisível e vir dançar aqui fora.


A caverna mágica se abriu e revelou seus tesouros viscerais.


Uma viagem psicodélica, um coquetel divino de ocitocina, endorfina, prostaglandina e melatonina (recomendo a onda!!!). O ápice? Minha bebê nos braços.


O que vivi nessa grande onda parece fora do real. Ampliou-se um tanto em mim, alonguei-me a novos e indescritíveis lugares, conheci espaços não navegados, beijei a Morte na boca, me recarreguei no colo de Deus, olhei fundo nos olhos-espelhos da Deusa.


Quem sou depois disso?


Como elaborar esse estirão da realidade enquanto sou mesa, cama, banho e coração de um outro ser? Tudo mudou tão drasticamente.


Tô aprendendo a gostar das madrugadas.

Enquanto nutro, imagino as milhões de nutrizes ofertando peito e sono ao redor do mundo e, no escuro de silêncio e solidão, vou elocubrando, me refazendo, tateando as fendas de uma nova eu.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão