Quem sou eu profissionalmente agora?

Quatro meses de um arrombo psíquico, com um pacotinho sorridente e demandante no colo. Com o sono pouco e picotado, o corpo com limites irreconhecíveis sendo sugado. Eu estaria voltando ao trabalho por agora se não fosse autônoma. Ainda é difícil me imaginar atuando pra além da díade mãe-bebê.


A potência de meu trabalho reside/residiu no reflexo de quem sou. (Não sei se escrevo isso no presente ou no passado.) E agora, que não sei quem sou?


O que tenho pra ofertar ao mundo além do trabalho hercúleo de maternar? Aliás, qual arquétipo feminino é similar a Hércules?


Já mudei o rumo do meu trabalho algumas boas vezes e já não tenho medo de fazê-lo. Conheço as armadilhas do caminho, os atalhos ladrões de aprendizado, as redes de segurança necessárias, as estrelas-guia, as sensações reveladoras de Norte, as experimentações necessárias.


Estou uma mulher recém mãe em pausa atenta na dança da vida. Reconheço o privilégio. Nasci com ele e construi uma vida em que posso tirar esse tempo para ser observante dos micro movimentos em mim e acompanhar o vir a ser daquilo que se move dentro enquanto faço o trabalho mais sagrado e menos reconhecido da existência: apoiar a chegada de uma nova vida. Sinto ser minha responsabilidade socioambiental dar meu melhor com o privilégio que herdei.


Por hora, não sei sobre o servir que pedirá para nascer de mim na construção de um futuro mais desejável. E não canso de repetir: o maternar é o maior e potencialmente mais regenerativo trabalho que conheci. “Só“ isso já seria muito suficiente.


Confio, mais do que nunca, na minha capacidade de sonhar, gestar, gerar, parir e cuidar do que for em comunhão com a Grande Natureza.


E desfruto do caminho, que o sorriso banguela da minha filha é só agora.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

uma forma de vida que cuide das mães

Não era pra ser assim. Não era pra estarmos tão cansadas. Não era pra estarmos à mercê financeira. Não era pra duvidarmos de nosso valor por estarmos sendo “só” mães. Não era pra estarmos em

Quem sou depois disso?

Por essa fenda, jorrei sangue vivo por 20 anos antes de jorrar ser humano. O mistério ia se revelando suavemente a cada lua, junto com o plantio vermelho das histórias do último ciclo. Quando, junto c

Peito jorra amor líquido

Ela vem acoplada de um peito. Atrás desse peito tem eu-nutriz. Agradecida por termos sofá, poltrona, cadeira, cama, sol, sombra. Variar lugares faz do dia mais vivo. Tudo se repete. Qual peito tá chei