Um novo realmente novo

Pra fazer uma transição contundente e sustentável ao longo do tempo, há de mudar também a estrutura de pensamento. Descolonizar o olhar. Sair da lógica linear com foco no objetivo e se abrir para uma percepção relacional e processual.


Se não, é só uma repetição mascarada de "novo".


Um novo que repete os mesmos padrões de necessidade de garantia não é novo.


Novo é estruturar-se dentro, sem querer controlar o fora.


Novo é confiar no processo de autotransformação, é permitir-se morrer para renascer do centro para as extremidades.


Novo é soltar o desejo por pseudo-segurança e dar chance para construir bases sólidas no imaterial: saber quem se é, nutrir relacionamentos nutritivos, conectar com o invisível e receber dele instruções.


Novo é ter sensatez de assumir o não saber, dar as boas vindas ao vazio e ter percepção sutil para sentir os primeiros cheiros do que chega.


Novo é confiar no que não se explica mas se entende.


Novo é deixar dissolver o que não mais serve à Vida.


Novo é correr o risco da liberdade.


Novo é saber que ser livre enquanto outros estão presos não é liberdade.


Novo é reconhecer a interdependência e a não separação entre todos os seres.


Tem tanto mais que é novo que ainda não conheço.

Novo é tudo aquilo que ainda não sei e que já ressoa.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tenho precisado perseverar para seguir criando depois de parir. Minha mente diz: já tá bom. “Já é grandioso o suficiente, pode parar, tá maneiro. Você não vai dar conta de sustentar atenção pra a cria

Quase 11 meses de filha no mundo e eu começo a voltar ao trabalho. Foram períodos de profundezas e eu, amiga delas, aprendi a não me apressar pra saber pra onde ir, mesmo cheia de desejo de só ir. O m

A tal da maternidade real. Escancarada assim, com leite vazado, cabelo vomitado, dente não escovado. E ainda assim, (às vezes,) sorriso de olheira a olheira. Pra quê escancarar a realidade assim, tão